TRANSPIRAÇÃO (hidrose)

Como hidrose entende-se suor/transpiração.
A transpiração é importante para o organismo, pois controla a temperatura do corpo e elimina as toxinas através dos poros.
A quantidade de transpiração produzida varia de pessoa para pessoa, de acordo com a idade, sexo ou raça, influenciada também por factores endógenos ou exógenos.
 
TIPOS DE HIDROSES:
- Hiperhidrose – excesso de transpiração
- Bromidrose – transpiração com mau cheiro
- Anidrose – défice de transpiração
- Disidrose – aparecimento de erupções cutâneas
 
A hiperhidrose é a produção excessiva de suor sem cheiro desagradável.
Entre as suas causas estão os estímulos emocionais ou uma maior sensibilidade dos centros reguladores de temperatura (provocada pelo exercício físico).
Na hiperidrose emocional, a transpiração aumenta em situações de desconforto ou tensão emocional. O incómodo causado pode trazer ainda mais tensão ao paciente, piorando o seu quadro clínico e trazendo dificuldades de relacionamento ou, até mesmo, profissionais. Nestes casos o apoio psicológico pode ajudar bastante.
 
Convém salientar que quando ocorre a hiperhidrose, não ocorre necessariamente a bromidrose (transpiração com cheiro desagradável). Isso dependerá de alguns factores (hormonais, alimentares, medicamentosos, meio-ambiente ou vestuário), juntamente com falta de higiene e origem genética, que influenciará directamente, podendo também aparecer alguma maceração (aspecto esbranquiçado da pele) ou descamação da pele.
 
A anidrose é o oposto da hiperhidrose, caracterizando-se assim por défice de transpiração. Tem como causas principais a falta de alimentação, a falta de higiene e a falta de saneamento básico.
 
A disidrose é caracterizada pelo aparecimento de erupções cutâneas de carácter reincidente e que provoca muita comichão, podendo também ser completamente assintomática (sem presença de sintomas).
Uma vez que é uma patologia reincidente pode durar entre uma a duas semanas, com consequente ressecamento e descamação nos locais atingidos.
Estas lesões podem ocorrer em pequeno número, mas nalguns casos atingem toda a superfície dos pés.
 
Para evitar as hidroses, deve:
- Lavar os locais afectados, ensaboando bem e dando preferência a sabonetes anticépticos;
- Secar bem a pele após o banho, especialmente entre os dedos dos pés;
- Trocar as roupas e meias diariamente;
- Evitar o uso de tecidos sintéticos, dando preferência ao algodão;
- Preferir calçados abertos;
- Manter sempre o calçado limpo;
- Evitar deixar a pele húmida muito tempo.
 

Em qualquer dos casos deve consultar o seu podologista para indicação do tratamento mais adequado ao seu caso.

Powered by WebExpress